Transformar o mundo por meio da educação. O que para muitos é utopia para a Estante Mágica representa atividade-fim. Criada em 2012 como uma plataforma educacional para escolas, a empresa transforma alunos em autores do próprio livro. Lançando mão de parcerias com escolas públicas e particulares em todo o Brasil, a Estante Mágica já deu oportunidade para mais de 240 mil crianças e jovens escreverem seus próprios livros.

Em sala de aula, alunos de 3 a 10 anos vão na contramão da era digital e produzem seu conteúdo como nos velhos tempos, com lápis e papel. É dessa forma que a startup faz com que crianças de mais de duas mil escolas do Brasil desenvolvam sua habilidade de escrever, promovendo um processo de aprendizagem estimulante e de alto impacto social.

O sucesso do projeto pode ser medido pela abrangência do trabalho da startup: hoje, a Estante Mágica está presente em 630 cidades de 26 estados brasileiros e se prepara para voos pela América Latina. No Rio e em São Paulo, por exemplo, fazem parte da lista de parceiros da Estante Mágica instituições como Colégio São Bento, Escola Suíço-Brasileira, Escola Alemã Corcovado, Liessin (todas no Rio) e Colégio Porto Seguro, Colégio Dante Alighieri e Colégio Vértice, para citar alguns dos mais renomados.

Os projetos pedagógicos da Estante Mágica são implementados sem custos pelas escolas. O processo é simples: o colégio se cadastra na plataforma, escolhe a proposta de conteúdo que quer adotar em sala de aula e, a partir daí, cada aluno cria a sua própria história, com textos e desenhos. Os pais são convidados a escrever uma pequena biografia dos filhos, que também será incluída na publicação. Toda a produção vai resultar em um e-book gratuito. A família que desejar o livro impresso pode encomendá-lo. E é da venda desses livros que vem toda a receita da Estante Mágica. O encerramento da atividade se dá com uma sessão de autógrafos, organizada pela escola, na qual os pequenos escritores recebem amigos e familiares.

Servir de referência para um novo modelo de educação é a aspiração da Estante Mágica. Os cofundadores da startup, os advogados Pedro Concy e Robson Melo, acreditam que a metodologia baseada em projetos é mais desafiadora para os alunos e também ajuda a desenvolver a inteligência socioemocional. “Queremos despertar nas crianças competências para o mundo moderno, os chamados 5Cs: comunicação, criatividade, colaboração, curiosidade e criticidade (pensamento crítico). Trabalhar essas aptidões por meio de projetos pedagógicos é o ideal, pois os alunos se tornam protagonistas do próprio aprendizado”, diz Robson Melo.

A meta dos cofundadores da Estante Mágica é ambiciosa: estar presente no mundo inteiro. “Sabemos que será preciso nos adequar a diferentes culturas e realidades, mas, se o modelo criado a partir da Revolução Industrial serviu para o mundo inteiro, não há por que não pensar na ruptura destes conceitos e em aplicar nossas novas metodologias fora das fronteiras do Brasil”, acrescenta Pedro Concy.

Previous post

Liderança é tema de palestra gratuita na Barra da Tijuca

Next post

Quadrifoglio lança menu especial para a primavera