A Prefeitura do Rio de Janeiro conquistou o primeiro lugar em duas categorias de premiação para Cidades Inteligentes. Um em Tecnologia e Inovação e outro em Empreendedorismo. E ficou em 6º lugar no Ranking Geral da plataforma Connected Smart Cities – Cidades Inteligentes, Humanas e Sustentáveis.  O prêmio foi entregue nesta terça-feira (04/09), no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo. O projeto envolve empresas, entidades e governos e tem por missão encontrar o DNA de inovação para cidades mais inteligentes e conectadas umas com as outras, sejam elas pequenas ou megacidades. O ranking foi estabelecido pela Sator, desenvolvedora de plataformas de negócios, em parceria com a Urban Systems, empresa de inteligência de mercado. Foram mapeadas mais de 700 cidades com o objetivo de definir aquelas com maior potencial de desenvolvimento do Brasil.

O prefeito Marcelo Crivella destacou a importância do prêmio como reconhecimento à qualidade dos serviços, dentro do conceito de Cidades Inteligentes, que a Prefeitura vem desenvolvendo em prol do município e dos cidadãos cariocas.

– A cidade inteligente é a que modela e presta serviços públicos levando em conta a experiência do usuário, ou seja, o pensamento, a expectativa e a necessidade dele. A cidade deve ser, portanto, expressão dos anseios de seus cidadãos. Toda a cidade preocupada com a execução desse projeto age de forma que se torne inteligente. Ela mantém em constante aperfeiçoamento sua estratégia de desenvolvimento. O trabalho feito pelo Connected Smart Cities é um instrumento extremamente importante para balizamento das ações de governo, pois apresenta uma visão técnica e isenta sobre ações e o posicionamento de cada cidade – disse Crivella.

O primeiro lugar na Categoria Empreendedorismo foi conquistado pela prefeitura do Rio nos anos de 2105 e 2016. Em 2017, a cidade ocupava a segunda posição e agora, em 2018, volta ao topo do ranking.  Na avaliação do prefeito Marcelo Crivella, o Rio de Janeiro é uma cidade de múltiplas oportunidades, e isso faz com que o Rio seja destaque no ranking.

– Do ponto de vista da administração pública, é importante destacar que somos uma cidade capaz de emitir um alvará de maneira virtual, desde sua solicitação até sua impressão. Tudo é feito pelo próprio contribuinte. No caso de microempreendedores individuais, esse alvará é emitido instantaneamente, já que os MEIs são isentos do pagamento de taxas para emissão de licença. Desde a entrada em funcionamento do processo de alvará eletrônico, o volume de licenças emitidas cresceu em mais de 40%, o que demonstra a saída da informalidade de parcela significativa da atividade econômica – destaca Crivella.

O Rio de Janeiro também recebeu o primeiro lugar na categoria Tecnologia e Inovação por oferecer à população 24% das conexões de Banda Larga com mais de 34 MB e por ser, segundo o Sinditelebrasil, a 3ª cidade no ranking das cidades amigas da internet, entre 2016 e 2017. O trabalho da IPLANRIO, empresa municipal de tecnologia, responsável pela sustentação de mais de 800 sistemas corporativos e pelo desenvolvimento de projetos disruptivos para governos também foi determinante para que a cidade chegasse ao terceiro lugar do ranking. Outro ponto de destaque são o fato de o Rio deter 7,7 patentes por 100 mil habitantes e ter rede pública de fibra ótica, com cerca de 500 km de extensão.

Em Mobilidade e Acessibilidade, a cidade se mantém no 3° lugar nas três últimas edições. Entre os destaques, a primeira plataforma pública de gestão de táxis no país, o Taxi.Rio, desenvolvido pela Iplan Rio e que conta com cerca  de 22 mil taxistas cadastrados. O Taxi.Rio  transportou, em dez meses, aproximadamente 310 mil passageiros em mais de dois milhões de corridas. A plataforma também está presente em São Paulo, por meio de uma parceria para transferência de tecnologia.

Em tecnologia para mobilidade, a cidade também se destaca pela atuação  do Centro de Operações Rio, que congrega mais de 30 agências que trabalham de forma integrada na operação da cidade, especialmente em temas como a mobilidade; outro ponto que garantiu ao Rio de Janeiro a terceira posição no ranking foi o fato de oferecer 5 km de transporte coletivo de massa por 100 mil habitantes

O presidente da Iplan Rio, Fabio Pimentel, que recebeu os prêmios em nome da Prefeitura do Rio, destacou a importância de uma cidade inteligente trabalhar para o cidadão:

– Cidade inteligente é aquela que trabalha para o cidadão, fazendo com que ele gaste menos tempo com burocracia e na resolução de problemas. Temos trabalhado para dar previsibilidade aos serviços públicos: o cidadão precisa saber como cada passo vai funcionar. E isso começa lá na modelagem do serviço público, que deve levar em conta a experiência do usuário – afirmou Pimentel.

 

Previous post

Teatro Bradesco Rio apresenta Beatles Abbey Road

Next post

Jacarepaguá sedia almoço em prol de instituição que auxilia jovens com Síndrome de Down